O Mundo Em Que Vivemos
Avaliação: 0+x

O documento a seguir, foi marcado pelo filtro de dados automatizados do site 19 (marcados como dados classificados, O5, SCP-682, SCP-173). O documento a seguir contém dados de registro pessoal, apenas aqueles com permissão da Administração do Site e superiores estão habilitados para visualizar este documento.

Áudio Log Pessoal do pesquisador Joshua "Watery" Hayes, 07 de junho de 20██

Várias batidas e sons de sussurro podem ser ouvidos ao fundo. Imagens do circuito interno neste momento mostra Hayes a recuperar uma garrafa de ███████, uma marca de vodka debaixo de sua cama. Questionamentos sobre esse log revelaram que ele fora importado da terra natal de Hayes, a Nova Zelândia. Hayes solicitara que ele tenha a autorização de manter a garrafa como uma lembrança, não foi removido de seu cortejo, conforme regulamentação do Site.

Um som de arranhão é ouvido, confirmando que Hayes estará sentado em sua cadeira do espaço de trabalho. Hayes, em seguida, toma um gole da garrafa de vodka, e suspira.

"Você sabe o que ferra com esse mundo? Porque eu sei."

"Não são os monstros que desejam nada além da morte sobre a nossa própria espécie, como o 682. Não é o que nós não entendemos, como 173. Bosta, ou a maioria dos Euclides. Também não são as coisas que infestam a humanidade, ou usam e abusam dela. E não, não é a própria humanidade."

"São as que se escondem no meio de nós. São as bombas-relógio, como 231. São os que não conseguem se controlar, como o 507, não importa o quão bom ele seja, pobre coitado. São aqueles que podem assassinar a todos como se fosse apenas um pensamento, e isso nem mesmo a é intenção dele, como o 239."

Neste ponto, Hayes dá outro gole da garrafa de vodka, e bate a garrafa na mesa.

"No final do meu turno, eu estava conversando com minha superiora. Eu perguntei a ela sobre a guarda, e ela me deu um olhar engraçado, então ela disse:"

"Ele é um SCP".

"Ela me deu um número, um arquivo e então seguiu seu caminho. Voltei para cá, aos meus aposentos e li o arquivo. Acontece que ele é homem próximo dos 1.000 anos de idade. Acontece também que ele pode selar uma porta ou portão completamente de alguma forma com uma especie de Campo de Força. A Fundação o encontrou no último lugar em que ele estava guardando: Algum velho castelo na Escócia".

"E isso me fez pensar. Quantos outros será que estão lá fora? Quantas pessoas que pensam que eles são normais, que estão vivendo uma vida normal, com esta peculiaridade que os incomoda de vez em quando quando estão lá fora? Quantos são inofensivos? quantos são perigosos? quantos é que vamos descobrir?"

"E quantos desses que são realmente perigosos sabem o que podem fazer?

Hayes ri neste momento.

"Que mundo fodido esse que vivemos. (risos), talvez eu tenha perdido alguma coisa."

Artigo Original

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License