SCP-016
Avaliação: 0+x

Item nº: SCP-016

Classe do Objeto: Keter

Procedimentos especiais de contenção: SCP-016 deve permanecer isolado em uma câmara de cinco por cinco por cinco (5x5x5) metros, mantida a uma temperatura inferior a zero (0) graus Celsius. A não ser por ordem expressa de oficial de Nível 4 ou O5, SCP-016 deve ser sempre mantido em uma placa de Petri dentro do cubo de isolamento. Documentação descritiva completa de experimentos deve ser analisada antes e depois da coleta ou duplicação de SCP-016. A inobservância a estas regras resultará em rescisão ou rebaixamento do infrator a Classe-D. Somente funcionários autorizados podem obter amostras e realizar experimentos com SCP-016, sob as condições de contenção BC-L5.

Se apesar dos procedimentos acima, ocorrer um surto, os funcionários da base diretiva devem acionar o procedimento de confinação Código Sigma, além de desenvolver um plano de contenção. Funcionários infectados devem ser rescindidos no local por forças de segurança equipadas com equipamentos anti-biológicos e anti-químicos de padrão Postura Defensiva Orientada a Missões (PDOM). Caso a infecção não seja contida dentro de 48 horas, o dispositivo nuclear in loco será detonado. Sobreviventes não devem ser retirados do local sob hipótese nenhuma.

SCP-016 demostrou ser capaz de sobreviver até seis (6) horas na corrente sanguínea e alguns minutos no ar. Luz ultravioleta de alta intensidade e altas concentrações de cloro são métodos eficazes para esterilizar material inorgânico.

Descrição: SCP-016 é um patógeno transmissível pelo sangue descoberto em █████ por um mineiro após se ferir enquanto trabalhava em um veio profundo de carvão. O ferimento foi contaminado pelo pó de carvão da mina, infectando o trabalhador com esporos dormentes. Nos próximos dias, SCP-016 prosseguiu infectando os demais empregados no campo de mineração, bem como a equipe enviada pelo CDC (Centro para Controle de Doenças) para conter a situação. Neste ponto, funcionários da Fundação assumiram a investigação e rescindiram todos os indivíduos contaminados. O paciente zero foi apreendido e a mina desmoronada com explosivos.

SCP-016 possui um período de incubação que varia de 24 horas e dois (2) anos, dependendo da presença e quantidade de outros hospedeiros potenciais na proximidade do infectado. Os primeiros sintomas da doença lembram um resfriado comum, incluindo prurido nos olhos, coriza, tosse e dores no corpo. A segunda fase se inicia após 48 horas e trata-se de uma forma limitada de febre hemorrágica, fazendo com que pequenas quantidades de sangue sejam aspiradas para os pulmões, criando um efeito aerosol. Durante a terceira fase o hospedeiro "entra em falência e sangra", sangrando profusamente através de todos seus orifícios corporais, incluindo narinas, canais lacrimais, ânus, poros, boca, uretra e (no caso de vítimas do sexo feminino) vagina. No estágio final, a pressão arterial sofre um aumento abrupto: hospedeiros foram observados vomitando sangue a distâncias de mais de 5 metros. Caso o hospedeiro sobreviva a essa hemorragia quase total, o patógeno torna-se novamente dormente, voltando ao estágio de incubação.

O que distingue SCP-016 de outras febres hemorrágicas como Ebola e Malburg é sua resposta extraordinária a altos níveis de estresse. Caso a vítima seja submetida a uma situação estressante (como crises de vida ou morte), o organismo sofre mutação, tornando-se um retrovírus de DNA e alterando sua tática de sobrevivência de "reproduzir-se rapidamente" para "reescrever o DNA do hospedeiro e acelerar sua divisão celular". As maiores alterações fisiológicas ocorrem dentro das primeiras 24 horas deste processo, com a reestruturação completa do corpo se concluindo dentro de duas (2) semanas. A maioria dos hospedeiros não sobrevive ao processo devido ao esforço exigido de seus corpos.

Um efeito colateral curioso da transformação é um aumento na agressividade do hospedeiro. Acredita-se que este possa ser uma tentativa do vírus de se espalhar, como ocorre em vítimas de raiva. Além disso, cobaias que sobrevivem o processo de transformação passam a não apresentar os sintomas hemorrágicos da doença. Novas vítimas infectadas pelas cobaias, no entanto, ainda passam por todas as etapas normais da infecção.

Adendo: Registro dos Experimentos Envolvendo as Capacidades Transformativas de SCP-016

  • Cobaia D-016-1: Funcionário Classe-D infectado com SCP-016. Após apresentar sintomas, o quarto da cobaia foi lentamente inundado com água durante um período de 24 horas. SCP-016 sofreu mutação, entrando em estado teratomórfico, transformando os pulmões da cobaia em guelras. A cobaia sobreviveu por mais duas (2) semanas, período no qual SCP-016 transformou seus membros em nadadeiras, atrofiou seus olhos e aprimorou sua audição com habilidades de ecolocalização típicas de cetáceos. A cobaia foi rescindida através da drenagem da água do aposento, causando asfixia. O corpo foi subsequentemente cremado sem autópsia.
  • Cobaia D-016-2: Funcionário Classe-D infectado com SCP-016. Após apresentar sintomas, o quarto da cobaia foi lentamente inundado com água durante um período de 24 horas. SCP-016 sofreu mutação, entrando em estado teratomórfico, submetendo a cobaia a rápido crescimento muscular e expansão das estruturas ósseas dos punhos. A cobaia então tentou escapar do confinamento socando a porta de aço reforçado. A cobaia não obteve sucesso e pereceu por afogamento.

Mesma situação, duas respostas diferentes. Interessante. - Dr. ████████

  • Cobaia D-016-3: Funcionário Classe-D infectado com SCP-016: a cobaia era um engenheiro químico que envenenou sua esposa ao descobrir que esta praticava adultério. Após apresentar sintomas, o quarto da cobaia foi lentamente inundado com água durante um período de 24 horas. SCP-016 sofreu mutação, entrando em estado teratomórfico, fazendo com que a cobaia desenvolvesse um órgão inusitado em seu tórax, consistindo de uma câmara e dois (2) tubos. O órgão começou a absorver água e inchar, até que um funcionário da Fundação, ao perceber o que SCP-016 estava tentando fazer, rescindiu a cobaia com um disparo. Dentro do órgão foram encontrados diversos compartimentos contendo gás acetileno e oxigênio.
  • Cobaia D-016-4: Funcionário Classe-D infectado com SCP-016. Cobaia é instruída a se concentrar em formar asas. Nenhum estresse é aplicado. SCP-016 não sofreu mutação. Ocorreu morte da cobaia por hemorragia durante a Fase 3 da infecção.
  • Cobaia D-016-5: Funcionário Classe-D infectado com SCP-016. Cobaia é instruída a se concentrar em formar asas e colocada em uma caixa de acrílico suspensa a 305 m de altura. Um cronômetro foi instalado do lado de fora da caixa que, conforme informado à cobaia, indicaria quando a caixa seria solta dos cabos que a suportavam. SCP-016 sofreu mutação, entrando em estado teratomórfico, fazendo com que a cobaia desenvolvesse um órgão tentaculoide em seu pulso esquerdo, similar a uma fiandeira aracnídea: a cobaia alongou e inseriu o órgão através de um dos orifícios de respiração da caixa de acrílico e emitiu uma substância resistente análoga a seda e a utilizou para prender a caixa ao cabo que a mantinha erguida. A cobaia foi rescindida quando o cronômetro chegou a zero e a bomba foi detonada.

Artigo Original

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License