Registros de Exploração de SCP-026
Avaliação: 0+x

Registro de Exploração 026-4
Exploração conduzida pelo Agente ███████

"Certo, estou entrando no saguão. As paredes são na maioria de concreto aparente, com um pouco de tinta em alguns lugares. Pichações por todas as partes. Algumas garrafas de cerveja, um pouco de lixo. Parece qualquer outro prédio abandonado."

"Ok, estou subindo as escadas. Mais pichações nas paredes. Ok, vou entrar no corredor. A tinta descascada é um pouco sinistra. Parece uma cobertura de mofo. Me lembra [REMOVIDO]. As portas são meio esquisitas. Algumas estão bem próximas, outras distantes. O espaçamento é bem irregular. Não corresponde à planta que vocês me mostraram. Ok, estou numa sala de aula. Bem vazia. Algumas carteiras vazias. Bem velhas, parecem dos anos trinta. A lousa tem alguns problemas de matemática escritos. Parece trigonometria. Ok, vou verificar outra sala."

"De volta no corredor. Indo pra próxima sala. As carteiras parecem mais modernas nessa sala. Feitas de compensado. Mais pôsteres aqui. Eu diria que são dos anos oitenta. Eu reconheço alguns deles de quando eu era criança. Parece latim escrito na lousa. Sim, estou tirando fotos."

"Ok, de volta no corredor. Indo pra próxima sala."

[Vários minutos de silêncio]

"Tem algum seriamente errado com esse lugar. Posso jurar que a sala estava a alguns passos de distância, mas parece que eu estou andando faz horas. De qualquer forma, cheguei."

"Temos adormecidos. Três deles, duas garotas e um garoto. Parecem ter catorze ou quinze anos. Estão todos usando o mesmo uniforme. Sim, como você me mostrou. Espere um pouco, vou tirar umas fotos. Pelo menos podemos descobrir quem são eles."

"A mobília parece bem velha, o que sobrou dela pelo menos. Várias cadeiras e carteiras quebradas. Nada nas paredes. A lousa… Que diabos?"

"Você não vai acreditar nisso, ████. As anotações da Agente █████████ estão escritas aqui. E ainda com a letra dela. Vamos ter que tomar cuidado com o que a gente traz pra cá."

"Sim, tirei as fotos, não se preocupe. Ok, vou checar mais uma sala, e vou sair."

"De volta no corredor. Indo pra próxima sala."

"Outra anomalia. Eu estive andando na mesma direção esse tempo todo, mas voltei pras escadas. Sim, eu vou descer. Já cansei desse lugar por hoje. Te encontro na porta."

As fotos reveladas mostraram [REMOVIDO]

Registro de Exploração 026-12
Conduzida remotamente utilizando uma sonda robótica e transmissão de vídeo. Explorando o corredor do primeiro andar.

O corredor parecia estar em más condições, com pichações nas paredes. Comparações com gravações anteriores mostram que as pichações mudaram. Vários dos mesmos símbolos se encontravam-se presentes, mas em posições diferentes. Alguns pareciam novos.

As portas estavam espaçadas uniformemente pela parede. Algumas intactas, outras rachadas ou faltando.

O primeiro cômodo do corredor era o banheiro feminino. Mais pichações nas paredes. Vários espelhos quebrados. Um dos vasos sanitários foi completamente arrancado da parede e colocado no centro do banheiro. Havia grande quantidade de porcelana e vidro sobre o piso.

O próximo cômodo era o banheiro masculino. Foi ignorado, favorecendo exploração das salas de aula.

A primeira sala não continha mobília. A lousa estava partida em dois. De um lado da lousa havia diversas linhas contendo "Não vou passar bilhetes durante a au (sic)." O outro lado continha fragmentos de uma aula de [REMOVIDO]. Havia um pôster na parede, mostrando Hellen Keller.

A segunda sala estava bem mobiliada, com o maior número de carteiras intactas já encontrado, a maioria feita de madeira e aço em um modelo comum nos anos 50. Foram encontrados dois adormecidos que não haviam sido relatados em explorações anteriores. O primeiro era um adolescente do sexo masculino em uma das carteiras. Uma verificação do Arquivo 026-04 revelou tratar-se de ██████ ███, um ex-aluno da escola. Ele foi dado como desaparecido dez anos após o fechamento da escola, aos vinte e oito anos. O outro era uma mulher com trinta e poucos anos, sentada em uma mesa de professor. Sua identidade é desconhecida. A lousa continha uma linha do tempo da Segunda Guerra Mundial, coberta com uma pichação complexa.

A terceira sala tinha quinze carteiras de compensado em diversos estados de conservação. Havia um mapa na parede do fundo condizente com a situação sociopolítica de 1974. Havia uma estante de livros tombada, com diversas enciclopédias caídas pelo chão.

O robô foi então conduzido ao final do corredor e de volta à entrada. Não houve sinais de anomalias espaciais desta vez.

Registro de Exploração 026-15
Exploração conduzida pelo Agente █████, acompanhado por uma sonda robótica.

"Ok, entrei. O saguão parece o mesmo de sempre. Provavelmente há algumas alterações nas pichações. Lá vem o robô."

O saguão foi comparado ao mostrado em outros vídeos. Foram percebidas algumas diferenças nas pichações. Fora isso, não houve mudanças significativas.

"Estou subindo agora. Droga, esse robô é pesado. Quanta porcaria vocês colocaram dentro dele? Vocês podiam ter me avisado. Preciso descansar um pouco no segundo patamar. O vídeo tá chegando bem? Legal, legal."

O primeiro lance de escadas foi superado sem problemas. O corredor do segundo andar parece semelhante ao do primeiro, embora com menos entulho.

"Já descansei. Subindo para o terceiro andar. Seria bom se tivesse corrimão… Da próxima vez, talvez seja mais fácil carregar o robô e o equipamento separados, e carregar nele lá em cima. O equipamento é bem à prova de idiotas. Acho que eu conseguiria montar. Essa coisa deve pesar mais de 50 quilos. Pronto, estou no terceiro andar. Eu consigo contar… doze portas. Espaçamento esquisito. A última porta deve estar a uns 90 metros de distância. Esse lugar é bem confuso."

O telêmetro mostrou que o corredor tinha aproximadamente quarenta e cinco metros de comprimento. Cinco portas em cada lado, espaçadas regularmente, com mais uma porta no final do corredor. Onze no total.

"Estou entrando. Não tem tanta pichação aqui em cima. Um pouco de entulho. Estou abrindo uma das portas. Dispensa do faxineiro, e, ei, temos um faxineiro aqui. Ele está dormindo em pé. Essa é nova. Sexo masculino, parece ter uns cinquenta e tantos anos. O crachá diz "███████". Algumas vassouras, o que sobrou de um esfregão… Parece que tem um ninho de ratos aqui. Eles roeram uma das pernas da calça dele, mas parecem não ter tocado no adormecido. O que? Querem amostras? Eh, tudo bem. Não é a coisa mais estranha que eu já peguei nesse trabalho. Ok, acho que é só isso."

Uma verificação do Arquivo 026-04 revelou que o adormecido era ████ ████████, ex-faxineiro de SCP-026. Análise posterior das fezes de rato revelaram [REMOVIDO]. É recomendado que equipes de exploração utilizem trajes de proteção biológica no futuro.

"Aqui tem uma sala de aula. Não, nenhum adormecido. Duas carteiras intactas, o resto está bem destruído. Parece que alguém usou uma marreta no lugar. Não, espere, correção. Um taco de baseball. Está apoiado em um dos cantos. Tem meio engradado de cerveja aqui, latas cheias. Parece que saíram com pressa. Ei, vire o robô pra lousa. Tem algo aqui que eu quero que vocês vejam. Parece latim pra mim. Pode ser importante. Arranjem alguém pra traduzir, pode dar alguma pista sobre o que está se passando aqui."

Os escritos em latim foram identificados como sendo uma série de frases mostrando as diferentes conjugações do verbo "Vendo", vender. Todas as frases podem ser encontradas em "Cartilha ███████ de Latim", um livro didático usado antigamente pela escola. O taco de baseball era de alumínio, e a análise de impressões digitais foi inconclusiva.

"Ok, próxima sala. As carteiras parecem mais modernas. Dos anos oitenta, acho eu. A lousa tem uma citação de Nicholas Nickleby. Sim, tenho certeza. Está escrito na lousa. 'O sol não brilha sobre esta terra para encontrar olhares carrancudos, tenha certeza.' Nicholas Nickleby, por Charles Dickens. Tem uma maçã em cima da mesa. Parece fresca. Vou colocar na sonda. Ok, estou olhando pela janela. Ei, vocês ainda estão aí fora? Porque eu estou vendo crianças no pátio. Não estou vendo a van, nem nenhum de vocês. Sim, segunda sala na direita. Estão me vendo? Estranho."

A maçã parecia fresca na gravação. Contudo, quando retirada do recipiente de amostras, encontrava-se em estado avançado de decomposição. A gravação da sonda pela janela mostrou a van da Fundação no solo, e a equipe de pesquisa olhando para a janela. Nenhuma criança foi vista no pátio.

"Ok, querem que eu continue até o final do corredor? Certo. Vamos ver se eu consigo dessa vez. Não estou muito otimista. Andando pra frente. Parece ter uns três metros até a próxima porta, que seria a última porta, mas o que importa?"

"Ainda estou aqui, é mais longe do que parece. Eu me sinto como se estivesse andando há pelo menos duas horas. Estou quase lá. Só vou parar pra descansar um pouco. Eu-Ok, isso tá errado. Eu parei de me mexer, mas agora estou indo pra trás. O corredor está passando por mim. Merda, eu vi a porta passando. Vou andar pra frente de novo. Melhor assim."

"Ok, quase chegando. Mais uma corrida e eu devo chegar. E voltei pro robô. Sabia que não ia funcionar. Não tem como chegar lá, estou falando."

A gravação mostrou que a próxima porta estava a nove metros de distância. O tempo total entre uma porta e outra foi de cinco minutos, nos quais o Agente █████ vagou na direção do fim do corredor. Nenhuma atividade anômala pôde ser observada enquanto ele estava parado. Quando ele chegou perto do final, o Agente █████ virou e rapidamente voltou para o começo do corredor.

"Ok, entendi. Fechei meus olhos. Estou andando pra frente. Esquerda, certo. Indo reto. Corrigindo pra esquerda de novo. Ok, isso está sendo bem mais rápido. Ok, corrigindo pra direita. Sim, direita, eu entendi. Caramba, eu tô indo pra direita! Ok, esquerda. Não, não é o mesmo lado! Olha, se você acha que é fácil assim, manda o robô."

O robô conseguiu chegar no final do corredor sem problemas. O Agente █████ tentou segui-lo, mas não conseguiu seguir em linha reta até o final do corredor.

"Vá em frente e mande o robô. Eu não vou tentar de novo até ter uma ideia do que tem ali. Alguma coisa está me mantendo pra fora. Precisamos descobrir o que é antes de fazer qualquer outra coisa. Olha, se vocês querem tanto saber, vão vocês mesmos ou peçam alguns Classe D. Eu não vou entrar. Aceitem."

Nesse ponto o robô abriu a porta e atravessou, chegando em outro corredor, perpendicular ao primeiro, com trinta metros de comprimento. Nenhuma porta foi vista. Uma única janela foi observada, porém situada em local alto demais para que o aparelho pudesse gravar o lado de fora. As paredes não tinham pichações. O lado esquerdo do corredor não tinha saída, enquanto o direito terminava virando para a esquerda. O robô virou à direita no novo corredor. Após dez metros, o GPS do aparelho mostrou que este se encontrava fora do prédio, embora a gravação ainda mostrasse o corredor. A sonda continuou até o final, virando à esquerda. O Agente █████ encontrava-se adiante, no começo do primeiro corredor. Virar a câmera para trás do robô só mostrou a escadaria, sem nenhum sinal do segundo corredor. Neste momento, o GPS mostrou que o aparelho se encontrava na posição do Agente █████.

"Estou vendo outra sala de aula. Mas não estou vendo o robô. Perdi ele de vista depois que cruzou a porta. Como assim está do lado de fora? Ele saiu pela janela? Olha, talvez o GPS esteja quebrado. Calma. Como assim vire? O que que eu tô - oh, porra! Ok, chega. Estou encerrando por hoje. Nós podemos voltar depois de mandar alguns Classe D pra cá."


Artigo Original

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License