SCP-131
Avaliação: 0+x
131.jpg
SCP-131-A e SCP-131-B

Item nº: SCP-131

Classe do Objeto: Seguro

Procedimentos Especiais de Contenção: Nenhum procedimento especial de segurança deve ser aplicado a SCP-131-A e SCP-131-B. Eles têm liberdade para navegar pela Área-19, contanto que não tentem entrar em áreas restritas ou deixar o local. Contato casual com os objetos é permitido, mas é recomendado que seja limitado ao mínimo possível para evitar que as criaturas se vinculem aos funcionários. Registros de horário/local dos objetos devem ser constantemente mantidos; falhas no monitoramento de sua localização constituem uma situação de bloqueio de nível um. Relatos de abusos ou maus tratos em relação aos objetos serão punidos com advertências severas.

Descrição: SCP-131-A e SCP-131-B (apelidados carinhosamente de "Eye Pods" pelos funcionários) são um par de criaturas com formato de gota com cerca de 30 cm de altura, com um único olho azul localizado no meio de seus corpos. SCP-131-A possui coloração laranja queimado, enquanto SCP-131-B é amarelo mostarda. Na base de cada criatura se localiza uma protusão com formato de roda que permite sua locomoção, sugerindo que as criaturas possuam origens biomecânicas. Os objetos são capazes de se locomover de maneira surpreendentemente rápida, cobrindo mais de 60 m em questão de segundos. No entanto, os objetos não possuem um sistema de freios, o que gera acidentes bastante espetaculares, e de certa forma divertidos, envolvendo as criaturas. Os objetos também demonstram serem capazes de escalar superfícies lisas, tendo se perdido na tubulação de ar em mais de uma ocasião.

As criaturas parecem possuir inteligência similar à de gatos domésticos e são insaciavelmente curiosos. Na maioria do tempo, simplesmente rolam pela Área, observando funcionários e outros SCPs Seguros. Elas parecem ser capazes de se comunicar entre si através de balbuciações agudas e intraduzíveis. As criaturas nunca foram vistas piscando, mesmo após terem sido filmadas e observadas por mais de 18 horas consecutivas.

Os objetos respondem bem a qualquer sinal de afeição dado a eles e se vinculam rapidamente à pessoa que originou esta afeição, da mesma forma que um cão se vincula a um ser humano. Eles seguem qualquer coisa ou pessoa à qual se tenham vinculado a qualquer lugar, mesmo em áreas normalmente restritas. Embora curiosas, as criaturas são capazes de sentir perigo em suas redondezas, e se o alvo de seus vínculos se aproximar de algo percebido como perigoso (como objetos das classes Keter ou Euclídeo) começam a se aproximar dos pés (ou outros apêndices) de seu companheiro vinculado, balbuciando em um tom de pânico, como se para alertá-lo. Devido aos perigos diários enfrentados por funcionários da Área-19 ao lidar com objetos de classe Euclídeo e Keter, é recomendado que funcionários evitem se vincular a SCP-131, pois as criaturas podem causar distrações em operações e experimentos delicados, provocando riscos aos indivíduos e a si mesmas (ver Adendo 131-1). Caso as criaturas sejam ignoradas pelo seu alvo vinculado por algum tempo, elas eventualmente perdem o interesse e voltam às suas atividades normais.

É ainda notável que os objetos não necessitam qualquer cuidado ou manutenção. Eles não se alimentam, defecam ou sequer dormem. Aparentemente, o único sustento do qual precisam são estímulos visuais (embora esta teoria ainda necessite mais estudos).

Os indivíduos SCP-131-A e SCP-131-B foram encontrados em um milharal na periferia de ████████████, em 19██. Eles foram rapidamente transportados para a Área-19 por [DADOS EXPURGADOS] e receberam a classificação como Seguro e a autorização para se deslocarem pela Área, após tornar-se claro que não estavam transmitindo suas informações visuais para qualquer fonte externa hostil.

Adendo 131-1: Durante o incidente ocorrido em ██/██/████, os objetos seguiram um dos funcionários de manutenção, durante sua rotina normal, na limpeza da câmara de contenção de SCP-173. Após suas tentativas costumeiras de alertar o funcionário serem ignoradas, as criaturas aceleraram para o interior da câmara, se posicionando na frente do funcionário e de dois outros presentes. Uma vez no interior da câmara, foi observado que as criaturas permaneceram entre os funcionários e SCP-173, o observando atentamente, como se soubessem que o objeto se moveria caso não fosse observado. Os limpadores ignoraram a presença das criaturas e continuaram com a limpeza quinzenal, como padrão. Quando os funcionários deixaram a câmara, as criaturas também o fizeram, rolando de costas lentamente, sem tirar os olhos de SCP-173. O uso de SCP-131-A e SCP-131-B como "guardiões" de SCP-173 (e talvez outros SCPs que requiram observação constante como SCP-689) está sendo considerado.


Artigo Original

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License