SCP-141
Avaliação: 0+x

Item nº: SCP-141

Classe do Objeto: Seguro

Procedimentos Especiais de Contenção: Quando não estiver sendo utilizado, SCP-141 deve ser armazenado em um cofre trancado na Área-76. O acesso a este cofre requer autorização de segurança de nível 3 ou superior e uma autorização, por escrito, para o uso de SCP-141. Quando SCP-141 estiver em uso, seja para a implementação de objetivos da Fundação, seja por motivos de pesquisa, o objeto deve ser mantido constantemente sob a posse do pesquisador designado. A inobservância à esta regra e à localização/posse de SCP-141 será punida com uma advertência grave.

Embora o perigo que SCP-141 represente para a Fundação seja limitado, o objeto ainda pode ser considerado um alvo tentador para alguns grupos subversivos e usuários oportunistas. Por este motivo, SCP-141 não deve ser retirado de seu armazenamento por período maior que uma semana por vez.

Descrição: SCP-141 é um pequeno tomo com capa de couro datado da época dos antigos romanos, facilmente portátil, sendo possível carregá-lo com uma mão. Apesar de sua idade avançada, o objeto nunca adquire qualquer sinal de envelhecimento ou uso além de sua capa envelhecida. Suas páginas de papiro são sempre nítidas e, de acordo com testes, são resistentes a rasgos e tentativas de arrancar do resto do livro. Todas as tentativas de datação de carbono fracassaram; a estimativa quanto à idade de origem do livro foi feita inicialmente à partir da análise de sua capa, e em seguida confirmada por pesquisas extensivas feitas utilizando SCP-141 e corroboradas por registros históricos. Seu título é aparentemente Codex Damnatio, baseado no texto escrito na lateral do objeto.

As páginas de SCP-141 são escritas em latim da Era Republicana de Roma. Consistem em descrições detalhadas com anotações de uma larga variedade de julgamentos penais. A primeira metade do tomo contém uma série de julgamentos históricos de diversos momentos da história — o mais antigo parece ser sobre proibições feitas durante o final da República Romana, enquanto o caso mais recente se trata de [DADOS REMOVIDOS], ocorrido em 20██. Cada relato dos casos é extensivo, com citações precisas de testemunhas, descrições físicas exatas de provas e sua relevância para o caso, e assim por diante.

O tomo na verdade contém muito mais casos do que suas cento e cinquenta páginas seriam capazes de conter; o leitor deve fazer uma referência precisa a um caso ou tipo de caso para descobrir se o mesmo se encontra no livro. Se presente, as páginas se transformarão então para revelar os detalhes do caso em questão. Este processo requer menções específicas ao contexto histórico do(s) caso(s) procurado(s). Pesquisas com SCP-141 conduzidas pelo Professor ██████ revelam que aparentemente SCP-141 foi utilizado, entre diversos períodos históricos importantes, em uma série de tribunais romanos, em julgamentos de hereges feitos pela Igreja Católica (inclusive na condenação de [DADOS REMOVIDOS]), na Inquisição Espanhola, nas caças às bruxas do século XVII, e na Ameaça Vermelha em meados do século XX.

A segunda metade de SCP-141 está vazia, e pode ser anotada com qualquer caneta com tinta preta. O indivíduo que escrever em SCP-141 deve fornecer informações detalhadas sobre um procedimento criminal, descrevendo a vítima, provas, testemunhos e suspeitos, e deve fazê-lo em latim da Era Republicana de Roma. Leituras posteriores do tomo mostrarão os casos anotados, transferidos para a primeira metade do livro, escritos com a mesma caligrafia que os demais — com uma letra muito precisa e cuidadosa.

Quando este tipo de informação é inserida em SCP-141, os detalhes do caso descritos tornam-se "verdadeiros" no tocante às memórias e provas envolvendo o caso. As memórias e relatos das testemunhas envolvidas corresponderão àquelas descritas em SCP-141. Provas falsas surgem de acordo com suas descrições, geralmente aparecendo no tribunal ou na cena do crime, onde podem ser facilmente encontradas. Este processo foi capaz de criar, até o momento, armas do crime, pistas deixadas pelo réu (como fluídos corporais ou impressões digitais), objetos roubados e documentos incriminatórios.

SCP-141 parece ser capaz de provocar atos criminosos que não teriam ocorrido normalmente, embora este processo requira descrições e anotações ainda mais precisas dos fatos e dos envolvidos. A parte "culpada" especificada por SCP-141 pode também ter implantada em si uma memória falsa, correspondente aos fatos descritos em SCP-141, mas este processo requer uma descrição extremamente hábil do cenário desejado. Estas memórias não são capazes de substituir outras, reais, mas parecem possuir importância semelhante à de memórias verdadeiras.

Cautela deve ser utilizada por usuários do objeto para garantir que haja o mínimo possível de brechas na descrição. As falsificações feitas por SCP-141 são capazes de iludir praticamente qualquer exame, mas serão somente reproduções precisas das memórias e provas descritas no objeto. Mesmo capazes de influenciar juízes e jurados contra o(s) réu(s), este processo não é infalível. Ainda assim, se utilizado devidamente, SCP-141 é capaz de garantir uma condenação com certeza quase absoluta. Mesmo em casos de inocentação, os indivíduos "culpados" ainda serão ostracizados e vistos como culpados pelas testemunhas e autoridades policiais influenciadas pelo objeto, que podem em alguns casos [DADOS REMOVIDOS].

Adendo [SCP-141a]: Estão sendo realizados testes para determinar se SCP-141 é capaz de exonerar um réu inocente, condenado erroneamente, e se alterar a descrição do resultado durante o julgamento provoca algum efeito. Está pendente autorização para utilizar SCP-141 em um "julgamento teste".

Adendo [SCP-141b]: Após [DADOS REMOVIDOS], todos os testes envolvendo audiências disciplinares ou envolvendo membros da Fundação, fora funcionários Classe D, foram proibidos por O5-█. A violação deste novo protocolo de segurança será severamente punida.


Artigo Original

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License