SCP-143
Avaliação: 0+x

Item nº: SCP-143

Classe do Objeto: Euclídeo

Procedimentos Especiais de Contenção: SCP-143 deve ser contido no vale adjacente à Área de Pesquisa Biológica-12, em uma área de cerca de 2 km². A área de até 20 km ao redor de SCP-143, bem como todos os locais com linha de visão do objeto, deve ser inacessível ao público. SCP-143 deve ser irrigado duas vezes ao dia , através de um sistema de borrifadores; caso haja precipitação natural no local, este procedimento não é necessário. Não é permitida a entrada de funcionários sem autorização administrativa de Nível 4 e não é recomendado que indivíduos toquem SCP-143 ou que permaneçam sob suas copas sem trajes de proteção adequados. É importante que não haja ninguém na área de contenção de SCP-143 durante a queda de suas pétalas.

Descrição: SCP-143 é uma plantação de 300 indivíduos de uma espécie de árvore ímpar. As árvores são visualmente similares à Prunus x yedoensis (sakura japonesa), ou à cerejeira. As árvores não produzem frutos e sua única forma de reprodução conhecida se dá através do transplante e plantio manual de raízes cortadas de exemplares mais velhos.

Suas pétalas possuem coloração rosada, levemente translúcida, e com a textura de vidro liso. As pétalas devem ser manuseadas com cautela, pois suas bordas são afiadas como lâminas e capazes de cortar pele e carne facilmente.

Seu tronco e casca possuem uma coloração cinza claro e apresentam a textura esperada em madeira, embora suas fibras sejam bastante lisas ao toque.

Contudo, as pétalas e madeira destas árvores são muito mais duras e resistentes do que a maioria das substâncias naturais ou manufaturadas, atingindo até 5.000 HB na escala Brinell e capazes de resistir a temperaturas de até 1800ºC. A razão entre peso e resistência deste material supera a do titânio, sendo quinze porcento (15%) mais leve que o alumínio. Apesar desta dureza, a madeira e as pétalas são flexíveis e maleáveis, como se esperaria de versões mundanas destes objetos.

É notavelmente difícil trabalhar com estas substâncias, mas utilizando temperaturas elevadas, de mais de 1500ºC, é possível fundir fragmentos individuais. O material pode ser utilizado para produzir blindagens, armaduras e armas de excelente qualidade. Devido ao lento crescimento das plantas, a coleta deste material é demorada, embora as pétalas caiam periodicamente, duas vezes ao ano.

Adendo 143-1: As árvores cultivadas na área de contenção atual foram obtidas de espécimes encontrados na província de Yamato, no Japão, em 1905. As árvores originais pertenciam a uma família tradicional de ferreiros, que alegavam ser descendentes de um lendário forjador de espadas chamado Amakuni. Eles denominavam as árvores originais como "jinki no kodashi" (刃木の木立ち), ou o "Bosque de Laminárvores". A Fundação aprendeu com esta família as técnicas necessárias para extrair e trabalhar com a madeira e as pétalas de forma a criar objetos úteis.

As árvores originais ainda se encontram no Japão, na propriedade do governo, e ainda são cuidadas pela mesma família. Entretanto, o governo japonês nega a existência das plantas e mantém todo e qualquer material ou objeto derivado destas árvores dentro do país.

Documento 143-A: Hoje perdemos três funcionários para 143. Eles estavam colhendo pétalas derrubadas pelas árvores naquele dia, quando uma rajada de vento se aproximou, chacoalhando diversas pétalas dos galhos e as carregando pelo vento. O vento durou o dia todo. Eu vou ter que mandar uma equipe de limpeza, mas ainda está ventando demais e ainda estão caindo algumas pétalas. Teremos que recolher os restos mortais quando o vento parar, em alguns dias.


Artigo Original

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License